segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Escolhas

.

Vestiu a herança
sufocou os sonhos
desnudou-se de si

Con.tradições
ao som dos aplausos
o riso taciturno


Aos passos do tempo
viveu a vida
dos outros, herdada


Lágrimas vertidas
saudade muda
do que nunca foi


Lou Vilela

.


8 comentários:

Leandro disse...

Viver já é, por si só, contraditório.

Lou disse...

Com certeza, Leandro! Abçs

Cosmunicando disse...

isso me faz pensar nas escolhas que resolvemos não viver... herdando sensações alheias.
Que 2009 seja marcado exatamente pelo oposto: vivamos tudo o que é possível =)
beijos

Guru Martins disse...

...além da percepção,
além da expressão da dor,
a tradução poética
ficou muito legal.
Parece pinceladas gestuais...

bj

Hercília Fernandes disse...

Lindo poema, Lou.

Fez-me retornar às antigas lembranças... Obrigada pela leitura.

Não estou esquecida do convite que lhe fiz - lembra? -, é que estou finalizando os compromissos do semestre letivo. Mas, será a primeira matéria de 2009.

Feliz 2009!

Forte abraço,

Hercília F.

Lou disse...

Um brinde as possibilidades, Pad! Bjão

Lou disse...

Obg, Guru! Feliz Ano Novo para ti!

Lou disse...

Lembro sim, Hercília, mas não se preocupe... tudo a seu tempo! Um grande abraço e Feliz Ano Novo!