segunda-feira, 19 de abril de 2010

Musa

.


.

Matisse and model, by Brassai




Faça-me atemporal!
habilmente, pinta-me musa
insana, orgástica, passional:
óleo [em ebulição] sobre tela.

Assim, o tempo será inócuo aos olhares
apesar da carne apodrecida.

Lou Vilela

.

* Poema republicado (escrito originalmente em 06/11/08).
.

11 comentários:

Pavitra disse...


uau! que forte esse!

gostei!
beijos, lou

sociologiaparaprincipiantes disse...

Gostei e vou voltar. Parabéns.

Ígor Andrade disse...

Indelével!

Abraço!

Cosmunicando disse...

óleo fervente, cores ardentes e musa eterna... tudo cabe na poesia =)

bjos Lou

Almeida Lucius ™/ Ulisses Reis ® disse...

Maravilhosa tua forma de escrever, gosto muito pois sou muito prolixo e admiro o teu jeito rapido de dizer o que quer, LINDO, beijos!

Assis Freitas disse...

Qualquer adjetivo seria pouco para expressar sensações. Incisivo como matizes de Matisse. Cheiro

Fouad Talal disse...

Nossa Lou!

Poema Imperecível!

(Mas esse pintor tá de olho noutra coisa)=o]

Bj

Lou Vilela disse...

Almeida Lucius,

Bem-vindo ao Nudez Poética!

Abraços

-------------

Assis,

Concordo quanto à escassez de adjetivos. O restante fica por conta da sensibilidade do teu olhar. ;)

-------------

Fouad,

Vc captou o olhar do artista?! :o rsrs

-------------

Um abraço a todos,
Lou

p.s.: os comentários anteriores foram devidamente respondidos na época.

Regina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Matéria Escura disse...

batatas pintas ao sol de ketchup.
(mandei este mesmo comentario, só q não percebi q estava na conta d outra pessoa rsrs)

Ianê Mello disse...

Lindísimo poema.
Forte pulsar poético.

Parabéns!

Bjs.