quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Varal de lembranças II

.

O cheiro de café forte afaga o nariz.


Ainda há roupas no varal! Os velhos

cabides ignoram o tempo e festejam a
dança das roupas.

O vento enxuga as lembranças.



Lou Vilela

.

6 comentários:

"Olhos de Folha Minha" disse...

O varal torna-se os fios dos corpos, marionetes...
Bela impressão do vento...das rupas com vida...
Admirada

Cintia Thome

Adriana disse...

o vento leva, a brisa não traz...
só os cabides é que balançam.

Mirse disse...

Muito Bonito, Lou!

Esse cheiro de café, que o vento ajuda a afagar, é o mesmo que balança as roupas no varal e enxuga as lembranças deixadas em cada roupa!

Perfeito!

Parabéns, amiga!

Mirse

Graça Pires disse...

É por isso que soltamos ao vento cada angústia que nos fere o pensamento...
Um beijo.

Priscila Lopes disse...

Hummmm, não conhecia o seu trabalho. É clean. Gostei!

BAR DO BARDO disse...

preciso de quarar meu espírito

a sua poesia ajuda bem