domingo, 11 de outubro de 2009

Labirintos II

.

Picasso - Mulher ao espelho


Entre um devaneio e outro enveredo por um labirinto de sensações. Percebo a proximidade do monstro fabuloso! Desesperadamente, tento encontrar o caminho, mas a cada passo o temido monstro se materializa. Sinto a sua respiração ofegante cada vez mais próxima... Em um lampejo de lucidez surge, no espelho, o reflexo. Enfim, a saída!


Lou Vilela



Este texto também foi publicado no "Blogstórias Essencias", da queridíssima Fátima Campilho, e no "Balaio Porreta 1986", do mestre Moacy Cirne. Obrigada aos dois pelo presente!
.


9 comentários:

Adriana Godoy disse...

E que saída!! Encontrar-se cara a cara com você mesma não deixa de ser intrigante. Lou, Gostei. Beijo.

Ianê Mello disse...

Lou

Linda prosa-poética!

Enxergarmos o próprio monstro em nós mesmos é tarefa difícil e ameaçadora, mas, sem dúvida, é o caminho para a real auto-aceitação.
É a saída para uma vida mais plena.

Parabéns!

PS: Agradeço sua visita e seu comentário em meu blog e espero vê-la mais vezes por lá.

Abraços.

Wania disse...

Lou, as saídas estão sempre dentro de nós, difícil, às vezes, são enxergá-las...o nome já diz tudo: Labirintos!!!


Pequeno na forma, mas enorme no sentimento que traduz!
Gostei muuuito,
Bjs

BAR DO BARDO disse...

Wild, girl... Muito bom, Lou! O Oscar Wilde tem um conto maravilhoso que se refere em termos ao seu. Quero dizer que você está muito bem acompanhada!

!ralucepse ojieB

Fátima Campilho disse...

Espetacular!
Abraços

Kanauã Kaluanã disse...

A adjetivação de monstro "fabuloso" deu a percepção do quanto é bom termos este habitante. É esta perseguição que nos faz encontrar o caminho, aquele interior, onde a saída é sempre no mais profundo do que somos.

Admiro muito tuas construções, Lou.
E a escolha da pintura foi magistral na ilustração do tema.

Beijos.

Katyuscia.

Úrsula Avner disse...

Oi Lou, olhar para dentro de si mesma, fazer o auto-exame tão desafiador e necessário ao crescimento pessoal, é mesmo a saída para vencer qualquer monstro, sobretudo, o do medo- o maior e o gerador de todos os outros monstros. Bj.

Casa disse...

Para mim,

inevitavelmente "a la Jung".
Carl G. Jung, meu segundo pai.

guru martins disse...

...o delírio
é poderoso
eu que o diga...

bj