segunda-feira, 17 de maio de 2010

Outra vez

.

provocas
com um roçar de língua
que me invade a boca

e no contrapasso
desta dança onírica
outra vez desperto
salivando saudades.



Lou Vilela


* Texto reeditado.



.

11 comentários:

Assis Freitas disse...

salivar saudades deve ter sabor de amoras: vermelhidão e sangue. E deve ferver a boca. Cheiro

Lara Amaral disse...

Seus poemas nos deixam tão cheios de sensação que faltam palavras.

Beijos!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Provos...

O provar do gosto da boca!

Belo poema

abraço

Mai disse...

Então é tão bom, que tem bis...Salivar saudades e despertar húmidas manhãs.
Ah! Lou, poemas desejos e sonhos como quem nunca acorda.
Tão bom isso...

abraços e boa semana

Jorge Pimenta disse...

como a saudade pode nas crinas do desejo...
jorge sousa braga tem um pequeno texto que reza assim:
"qual é a minha
ou a tua
língua?"
um abraço!

dade amorim disse...

(Suspiro).

Beijo, Lou.

Úrsula Avner disse...

Oi Lou, seu versejar é encantador ! Lindo poema. Bj.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Lou, só posso lhe pedir desculpas!

Têm como me mandar um e-mail para me dizer o que se passou?

obrancoderembrandt@hotmail.com

Obrigado

Atenciosamete:

Rafael Carneiro

Lou Vilela disse...

Enviarei sim, Rafael, mas acredito ser alguma incompatibilidade de configuração.

Abraços,
Lou

Wania disse...

Lindo, Lou

Só as boas lembranças dão água na boca!
Que delícia salivar saudades!!!!!!


Bjão

nas entrelínguas disse...

SAUDADE:

o tempo passa...
_as coisas?
mudam...cegam...surdam...
a gente passa...
...mas nem tudo...