segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Linha azul

.
Ilustração mostrando o campo magnético de um pulsar (azul) criando estreitos
feixes de radiação (magenta). Fonte: blog "Ciência e Tecnologia".





Tocavam-lhe os pulsares
Íntimos olhares clementes

Onde a linha era azul
E os nacos de tempo
Tapetes de liberdade.

Lou Vilela


.

12 comentários:

Rodrigo Passos disse...

maravilhosos versos!

Adriana Godoy disse...

Bonito, muito bonito. Bj

Lara Amaral disse...

Ah, que lindo!

Assis Freitas disse...

tapetes de liberdade é uma senhora imagem, sinto-me voando neles



cheiro

Mai disse...

Voar, voar ou ir pelos ares mordendo "nacos de tempo"...

Uma jóia de poema - filetes de lapis lazuli.

beijos, querida, boa semana

Rosangela Neri disse...

Quero desatar os nós dessa linha azul.
Bela postagem!

Beijinhos carinhosos da Rô

Marcelino disse...

Metafísico, onírico...

carmen silvia presotto disse...

Tapetes de liberdades, voos em busca do Ser, ínfimo momento de azul intenso.

teus poemas são molduras para meus olhos.

Beijos

Graça Pires disse...

Tapetes de liberdade feitos de nacos de tempo como se todo o azul pairasse sobre o olhar...
Um beijo, Lou

Adriana Karnal disse...

os nacos de tempo...ah, sua liberdade poética é que me faz voar no tapete.lindo Lu.

Jorge Pimenta disse...

"Implacável o tempo sobre todos
os nomes"
os tapetes da liberdade agitam-se em pedaços de tempo. a sensação plena fica para o homem que se desprenda de todas as linhas... independentemente da cor.
um beijinho, lou! sempre um encanto ler-te!

JasonJr. disse...

Soou como música instrumental psicodélica... :D
...Linhas & Cores...