quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Nada cala

.

Maria Rafael - O Som do Silêncio 1, acrílico e óleo sobre tela



Porque calas a sede
Já te denunciam
Trôpegos passos.

Subjugas (su)jeito
mudo.

Lou Vilela
.

7 comentários:

Graça Pires disse...

Chegar à fonte pelo cheiro da sede...
Um beijo.

Eder Asa disse...

Lou, tua poesia tem perfeição tão recorrente, que nem espanta mais...
Mas o trabalho da Maria Rafael, confesso, me deixou de queixo caído...

Lou Vilela disse...

Eder e Graça, infelizmente não consigo responder aos comentários de vocês pelo gmail, pois não aparece endereço eletrônico vinculado. Em tempos de correria, é uma forma mais fácil de enviar um feedback de vez em quando. ;)

Quanto ao trabalho da Maria Rafael, também achei um espanto. Veja este link: http://www.jokerartgallery.com/pintura/mariarafael/

Beijos,
Lou

rosadocairoshannyalacerda disse...

Realmente nem o mudo pode furtar-se ao som dos sentidos que prenha as palavras... parabéns pelo sujeito que Nada cala

Assis Freitas disse...

palavras, calas, nada fiz
estou tão infeliz
falasses, desses, visses não
imensa solidão

Caetano _ Mãe


cheiro

Hanukká-valquiria disse...

Olá, vim convida-la a passar no hanukká e ler sobre anjos, a ministração deles em nossa vida;
Os anjos são reais! São seres espirituais criados em tempos eternos com finalidades definidas e que estão ao derredor dos escolhidos do Senhor, livrando-os e conduzindo-os no dia-a-dia. Não devem ser adorados, cultuados. Em relação a eles cabe a nós a certeza do grande amor de Deus, que de todas as formas procura amparar os seus filhos e propiciar-lhes uma vida de vitórias.
bjos.

carmen silvia presotto disse...

é, o silêncio nos subjuga, eta sujeito metido que nos tropeça em mil jeitos.

Beijos