terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

(Re)fluxo

Arte Fátima Queiroz


A palavra almeja, conquista
Ignora a lei da usura
Estampa nas caras, tritura
Apolos, apelos, a cura
A palavra mistura – recicla
Língua aguerrida
Curita
Traspassa o globo, cultu(r)a
Cega de um olho
Orbita
A palavra irrompe, esquerdista
(Des)conserta  sob auspício
Saliva, veneno de cobra
Refaz-se soro ofídico
A palavra impõe-se laço
Margeia, forja Spaço
Mergulha, cabe-se abismo
Fogueia, cumpre-se ato
A palavra lambe (e-)mundos
(Re)fluxo, expande segundo
Corrompe flores de aço
Cavalga até moribundo
A palavra pppppulsa.

Lou Vilela
.

10 comentários:

Daniela Delias disse...

Ah, que bonito!!! A palavra aqui é bbbbbela!

Goliardos disse...

Olá Lou vilela, tudo bem?
Tudo é muito bonito e interessante por aqui; Para béns pelo trabalho.

Um grande abraço.

RICARDO disse...

Verdadeiramente pulsante!Muito Bom!!!

Assis Freitas disse...

a palavra principia o mundo

cheiro

Lara Amaral disse...

Vários dos caminhos percorridos pela palavra. Muito bom!

Beijo.

carmen silvia presotto disse...

A palavra palavra, lavra, despalavra, rompe e transforma... que bom poema e parabéns pela imagem que o acompanha, palavra junto asos versos.

Beijos.

Carmen.

Amosventura disse...

a palavra força, contra o peito e o poema e feito, feito gota de orvalho...
abraço ( se tornou um vicio)

luiz gustavo disse...

"...a pedra se faz poema
e verte poesia
do seu próprio ventre..."

luiz gustavo disse...

"...poesia pássara pêssega
suave cigarra que se assigna
veludolorosa e se fragmonstra:

- univértebra univalve unívoca..."

Marcelino disse...

E a palavra continuará viva, pulsando, enquanto existirem poetas como você, que dedica algum tempo a esses exercícios magníficos de metalinguagem.