domingo, 8 de maio de 2011

Flores de ferro




O ferrageiro de Carmona

Um ferrageiro de Carmona
que me informava de um balcão:
"Aquilo? É ferro fundido,
foi a fôrma que fez, não a mão.

Só trabalho com ferro forjado
que é quando se trabalha ferro;
então, corpo a corpo com ele,
domo-o, dobro-o, até o onde quero.

O ferro fundido é sem luta,
é só derramá-lo na fôrma.
Não há nele a queda-de-braço
e o cara-a-cara de uma forja.

Existe grande diferença
do ferro forjado ao fundido;
é uma distância tão enorme
que não pode medir-se a gritos.

Conhece a Giralda em Sevilha?
De certo subiu lá em cima.
Reparou nas flores de ferro
dos quatro jarros das esquinas?

Pois aquilo é ferro forjado.
Flores criadas em outra língua.
Nada têm das flores de fôrma
moldadas pelas das campinas. 

Dou-lhe aqui humilde receita,
Ao senhor que dizem ser poeta:
O ferro não deve fundir-se
nem deve a voz ter diarréia.

Forjar: domar o ferro à força,
Não até uma flor já sabida,
Mas ao que pode até ser flor
Se flor parece a quem o diga.

(João Cabral de Melo Neto)

Flores de ferro

Quis, Cabral, meu poeta,
Apresentar-me um tal sujeito,
"O ferrageiro de Carmona".
Retruquei, não tenho forma;
Forjar, “nonsense”, atrevo-me:
Domar palavras, enviesá-las
Tem sido desassossego.
As flores que eu enredo
Não bancam sequer o enterro,
Mas perfumam o meu nariz.

(Lou Vilela)
.

19 comentários:

Eder Asa disse...

O poeta, o artista alías, sempre forja mesmo. Em mais de um sentido (e vários sentimentos)!

Muito bom, Lou, muito bom!
Beijo!

Lara Amaral disse...

Vc e João, poetas que gosto demais! Acho interessante quando vc faz essas "conversas" aqui.

Beijo.

carmen silvia presotto disse...

Amei o diálogo poético e tens que seguir nos perfumando o olhar...abemos que torcer, polir, limar, encontrar, tecer palavras é um grande ofício, às vezes parece invisível, mas não são não, com elas edificamos mundos.

Beijos Lou, boa semana.

Carmen.

Marcelino disse...

Deveras vc forja flores em verbos e isso perfuma nossa leitura.

Amaas: disse...

Minha amiga gostei muito do seu blog sempre que der voltarei ja to seguindo...

Que Deus abençoe vc e sua familia....

Um grande abraço...

Marli Boldori disse...

Lou,muito reflexivo o poema de João Cabral,muitos de nós somos como o ferro,alguns são forjados outros amassados,o poema de sua autoria tbm me remete à reflexão.Parabéns pela postagem.Um abraço!

Cris de Souza disse...

bacanérrimo!

gosto muito dessa confluência.

beijo, lou.

Walkyria Rennó Suleiman disse...

"As flores que eu enredo
Não bancam sequer o enterro,
Mas perfumam o meu nariz. "

jeito lindo de dizer da inutilidade juvenil de todas as coisas.

Parole disse...

Li algumas poesias suas e gostei muito, assim como gostei demais da réplica ao poema de João Cabral de Melo Neto.

Virei mais vezes.

Beijos

Prof. Adinalzir disse...

Aproveitando para informar que estou concorrendo ao Prêmio Top Blog 2011! Conto com seu voto lá no Saiba História! http://migre.me/4B4VR
Abraços e um ótimo fim de semana!

Talita Prates disse...

e essa prosa perfuma o meu nariz também!

lindo, Lou!

Muita saudade de prosear c'ocê, viu?

Bjo grande,

Talita
História da minha alma

dade amorim disse...

Perfeito entendimento entre poetas, Lou.

Beijo.

MOISÉS POETA disse...

Ah! esses poemas de ferro... !
são os que mais gosto !


um beijo, querida !

joaoletras disse...

oi Lou Vilela,
fico feliz quando alguém de JCMN, esse é um dos poemas dele de que eu mais gosto.
um abraço

Amaas: disse...

Minha amiga fizemos nossa Campanha do Agasalho (Ajude seu irmão a sentir menos frio)foi um susseso de uma olhada e comente o que vc achou..

Desde ja nosso muito obrigado..

Um bom domingo...

Tuca Zamagna disse...

Bela dupla!

Bjs

P.S.: Só hoje passo a te seguir. Incrível, achava que já te seguia a tempos. Vim roubar a sua foto de perfil para um lance do "projeto secreto" da Cris de Souza...

Lou Albergaria disse...

palavras esculpidas com tanta beleza...

Lindo poema! E Cabral dispensa comentários. Parabéns pela escolha!

Beijos!!!

carmen silvia presotto disse...

Lou passo por aqui para te deixar um beijo e desejo de ótio final de semana.

Carmen.

Carlos Leite disse...

O seu blog é fantástico! Ainda não consegui formar uma opinião completa sobre si... Ainda não li tudo, mas do que li, está óptimo!!! Muitos parabéns e, obrigado por partilhar connosco a sua arte!
Se me permitir gostaria imenso de seguir o seu blog.
Adorei estes poemas!
Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com