sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Poema de aproximação

alegra tamanha transparência
daquilo que não cabe e reflete
poesia

alegra o que toca
na passagem do olho
e compõe a alma

a lucidez da língua a força
o signo a porcelana a boca
semiaberta essa flor
que sangra
e fere

Lou Vilela

2 comentários:

Simone Lima disse...

Gosto dessa musicalidade.
Você é muito boa, Lou!

Bjooo' ;*

Lou Vilela disse...

Obrigada, Simone! Um grande abraço!