segunda-feira, 9 de abril de 2012

Um bonde chamado poesia

Poema visual 'Borboletras' - Tchello d'Barros.


de gibis fatos novelas
cresceu na periferia
nos bolsos, nada tinha
escrevinhar era dom.

sua road, sem asfalto
seu inglês, ‘maigode’, alto!
português, vá lá, no tom.

cunhou-se autodidata
salvo pela culatra
: poeta sim, e dos bons!

Lou Vilela

.

3 comentários:

Lara Amaral disse...

Muito bom de ler esse poema, uma sonoridade agradável, sem falar na criatividade!

Beijo, Lou!

Assis Freitas disse...

bonde bom de se pegar,


cheiro

Cris de Souza disse...

Delícia de leitura!

Beijo, Lou*