quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Pedra de amolar

Mulher nua dorso fase III - Raquel de Melo


De tão afiada, a faca
Esculpe o dorso
De tão afiada, à míngua
A língua enquanto faca
Mói o osso

Lou Vilela
.

7 comentários:

Rosangela Ataide disse...

senti na pele, no osso...n'alma.

Leonardo B. disse...

[na pele da palavra,

derme intacta da palavra,
esculpido o ponto por ponto
do poema]

um imenso abraço, Lou

LB

Francy´s Oliva disse...

sem palavras.
bjs

Assis Freitas disse...

escola de facas, essa


cheiro

Daniela Delias disse...

Eita, as palavras aqui têm força!
Bjos!

Jorge Leandro disse...

Sempre é faca o que nos esculpe. Seja poema, dor, amor, alegria, ilusão. E é faca também, já dizia joão Cabral, o que nos leva a escrever.

Passando pela primeira vez aqui e gostando muito.

Cynthia Lopes disse...

palavra implacável!
bjs