sábado, 11 de julho de 2009

Vaga.mente

.
Não adianta o tempo
que lhes dedico

Malditas palavras
que me fogem!

Tanto sobre o que falar...
a falta de um arranjo sobre a mesa
o barulho do vento
a cama em silêncio
a gargalhada anacrônica
o ismo, o siso...

Malditas palavras
que me fogem!

Lembro-me vaga.mente:
em baixo do sapato
o gato lambe
o leite espalhado
ou algo parecido

Malditas palavras
que me fogem!

Eclode em silêncio
o que me forja


Lou Vilela





* Este poema foi publicado também no Teorema da Feira.
.

12 comentários:

Mirse disse...

Lindo. Lou!

Vaga a mente, palavras que fogem, barulho, silêncio....tudo que precisa para se compor um belo poema como só você sabe fazer.

Parabéns, amiga

Beijos

Mirse

Lou Vilela disse...

Mirse, as palavras fogem mas a gente vai tentando... rs

Obrigada pela presença e pelo carinho!

Bjs, minha cara!

Hercília Fernandes disse...

Belíssimo, Lou.
Sim ples mente belo!

Beijo :)
H.F.

Fátima Campilho disse...

Menina Lou,
Você tem se superado, principalmente nos poemas com imagens.
Um pedido:títulos em todos os posts.
Abraços

Úrsula Avner disse...

Vaga sua mente Lou á cata de palavras que formam um belo arranjo poético a encantar quem te lê. Bj.

Adriana Godoy disse...

Muito belo, intensa-mente. Beijo.

Lou Vilela disse...

Obrigada, Hercília!

Bjs

Lou Vilela disse...

Fátima,

Estive ainda há pouco em seu blog e já deixei um recadinho sobre os posts.

Bjs e obrigada pela leitura!

Lou Vilela disse...

As nossas, não é mesmo Úrsula?! rsrs

Bjs

Lou Vilela disse...

Godoy,

Me alegra que tenha gostado! ;)

Bjkas

Maria Paula Alvim disse...

saudades d'ocê... Os escritos, lindos como sempre. Beijão.

Lou Vilela disse...

Também estava com saudades, mocinha - d'ocê e de seus escritos!! ;)

Obrigada pela presença!

Beijão,
Lou