quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Praian(d)o


imagem localizada aqui, sem indicação de autoria.
clique aqui* para seguir ventando



teus balbucios
moinho de ventos
assopram ser-tons
e me espraiam
arenosa que sou
horizontal mente

Lou Vilela



* Tive o privilégio de ouvir esta música algumas vezes com uma voz de contralto que sempre nos encanta (a matriarca da família) .
.

14 comentários:

Adriana Godoy disse...

Gostei dessa imagem "arenosa que sou
horizontal mente". Muito bom, Lou, praiando...Beijos.

nina rizzi disse...

uma menina da praia, coisa rica :)

ei, talvez eu vá pro terrinha ano que vem. indo te contacto pra gente tomar banho de mar, visse ;)

cheiro.

Lou Vilela disse...

Dri e Nina,

Estava ajeitando o post quando vocês comentaram. Espero que tenham conseguido lerouvir na íntegra.

Nina, "vambora"! é só sinalizar. ;)

Beijos

Mai disse...

Ô coisa bonita!
Poesia, poeta e a inspiração.

Eu só abri um sorriso e aplaudi.

Tá demais!
Beijos.

Lara Amaral disse...

Lindo esse seu amor-fluido escrito delicadamente.

Beijos.

Wilson Torres Nanini disse...

Mais uma pérola da sua safra de ostras entreabertas. Gostei muito.

Graça Pires disse...

Mais um poema lindo com moinhos de vento: velas brancas a girar...
Um beijo.

Flávio Morgado disse...

"Horizontal mente", belo jogo de palavras, fora o poema em si que é maravilhoso, e descreve perfeitamente a imagem, realmente muito bom.
Meus parabéns, seguirei!
www.cadernodacapaverde.blogspot.com

F.M.

Lou Vilela disse...

Mai,

Um sorriso provoca outro e cá estou, toda sorriso com o seu comentário.

Beijos

Lou Vilela disse...

Lara,

O amor é sempre um bom motivo para fluidez. ;)

Obrigada pela presença!

Beijos

Lou Vilela disse...

Caro Wilson,

O meu relicário encontra-se repleto de pérolas - olhares como o seu que coadjuvam enriquecendo o texto.

Abraços

Lou Vilela disse...

Graça,

Velas que nos sopram...

Um grande abraço!

Lou Vilela disse...

Flávio,

Obrigada pelo gentil comentário!

Seja bem-vindo!

Abraços,
Lou

Mirse Maria disse...

Lou!

Mais um belo poema agraciado com o queridíssimo e inesquecível Taiguara!

Tinha que ser seu!

Parabéns, amiga!

Beijos

Mirse