segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Nerudianas

.


Prefiro que não, amada.

Para que nada nos amarre
que nada nos una.

Nem a palavra que aromou tua boca,
nem o que não disseram as palavras.

Nem a festa de amor que não tivemos,
nem teus soluços perto da janela.

Amo o amor dos marinheiros
que beijam e se vão.

Deixam uma promessa.
Não voltam nunca mais.

Em cada porto uma mulher espera:
os marinheiros beijam e se vão.

Uma noite se deitam com a morte
no leito do mar.

(Pablo Neruda in Crepusculario)





Seria tua musa desde que
aprendêssemos a roçar
minha língua tua língua
envolvidas nesse mar.

Envolvidas nesse mar
suculentas nerudianas
mil histórias duas bocas
minha língua tua língua

alagadas tateando
aprendêssemos a roçar
enviesadas declarando.

Seria tua musa desde que
duas línguas um destino
soubessem conspirar.

Lou Vilela





* Este poema foi publicado no blog "Mostra visual de poesia brasileira".


.

10 comentários:

Mirse Maria disse...

Adoro Neruda!

Seu poema intertextualizou perfeitamente!

Muito bom!

Beijos

Mirse

guru martins disse...

...ái as
pretensões
do romantismo...

bj

laerth motta disse...

certamente Neruda se arrempendeu de ter morrido sem se encontrar com essa tua lingua...
beijo grande

Adriana Godoy disse...

Belo diálogo,Lou. Você soube fazer essa simbiose lindamente poética, ousou e se deu bem. beijo.

Úrsula Avner disse...

Oi Lou, lindo seu poema numa interlocução afinada com Neruda. E olha o mar aí a nos perseguir ou somos nós que perseguimos o mar ?
Bj.

nina rizzi disse...

lou,

eu sou maluquinha pelo neruda. certamente, dentre pouquíssimos, seria um homem que eu amaria...

mas esse teu poema, essas tuas línguas, esse teu mar... mulher, que alagamento!

um beijo :)

em tempo: eu persigo o mar e ele me invade até a ressaca...

Marcelo Novaes disse...

Lou,




Mas ele parte...



O marinheiro parte.



Pensei em Jota Quest:

"A nossa liberdade é o que nos prende".






Beijos,







Marcelo.

fulinaíma produções disse...

Lou. poste este teu poema aqui http://mostravisualdepoesiabrasileira.blogspot.com

beijo grande
arturgomes

Lou Vilela disse...

Meus queridos,

Feliz que tenham gostado! Obrigada pela visita!

Um grande abraço,
Lou

Ianê Mello disse...

Bela incursão por Neruda!

Linda construção poética, repleta de lirismo.

Um abraço.

Ianê