quinta-feira, 8 de abril de 2010

Esper_nç_

.



Minha poesia anoiteceu
verde-rosa-enlamaçada
metida em buscas
de letras soterradas.

Mutilada esper_nç_!
Executa-se um choro brasileiro
- origem, Rio de Janeiro.

Braços firmes a(bril)molecem 
olhares que se misturam ao barro:
o artesão modela novos dias.


Lou Vilela




A poetisa Hercília Fernandes fez de seu Novidades & Velharias um canal para propagar alguns gritos, inclusive, o meu.. Passa lá para conhecer a significativa postagem sob o título 8 de abril anoitece a poesia.

.

18 comentários:

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Inda mutilada sobrevive, persiste...

Henrique Pimenta disse...

BARRA!

Lara Amaral disse...

A busca é por essas letras mesmo, soterradas.

Beijo.

Talita Prates disse...

meu deus, que "tradução"...

Fiquei emocionada.

Bjo, Lou.

Anônimo disse...

Caráleo! "a(bril)molecem olhares que se misturam ao barro" -->> olhos solidários que reconstroem. Do início ao fim ambiguidades costuram um poema que emociona.

saudades xuxu.
(K.)

Mai disse...

Sem muitas palavras, Lou, você traduziu o silêncio e o gemido.
beijos, poeta

Flávio Morgado disse...

Repito o dito acima: traduziu meu silêncio e perplexidade.

sidnei olívio disse...

Verdade, Lou, os poemas são bem próximos; o seu mais belo! Beijos.

J. disse...

Pede a ele pra moldar pra mim também?

Beijos.

Úrsula Avner disse...

Oi Lou,

belíssima e sensível poesia que homenageia a cidade maravilhosa nesse momento tão difícil e delicado... Bj.

Hercília Fernandes disse...

Lou,

creio que a poesia anoiteceu para muitos...

A tragédia no Rio de Janeiro nos leva ao choro e à indignação; sobretudo por afetar as camadas sociais já então sofridas.

Lindo poema, minha amiga, mesmo sendo o registro [realista] de um triste acontecimento.

Beijos,
Hercília.

Assis Freitas disse...

esperemos pois, não sem dor. cheiro

Mirse Maria disse...

Muito lindo, Lou!

O choro é brasileiro! Soterram letras, mas fica sua mensagem!

Belíssima!

Beijos

Mirse

Lou Vilela disse...

Meus caros

[Francisco
Henrique
Lara
Talita
K.
Mai
Flávio
J.
Sidnei
Úrsula
Hercília
Assis
Mirse],

Agradeço pelo carinho e por todas essas palavras que tanto me emocionaram.

Aproveito a oportunidade para fazer-lhes um convite: a poetisa Hercília Fernandes fez de seu “Novidades & Velharias” um canal para propagar os nossos gritos. Vale a pena ler a significativa postagem sob o título “8 de abril anoitece a poesia”.

Um abraço para todos vocês - e para aqueles que por aqui ainda passarem.

Lou

Wilson Torres Nanini disse...

Faltava a pele do Rio ser acometida, pois a alma já é deveras sombria. Nossos olhos se irmanam com essa tragédia, que resulta da confluência da incoerência humana, em seus vários aspecto, e a vingança implacável da natureza.

Belo poema.

Abraços!

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

palavras que anoitece e qu~e nascem em tantas outras cores

Léo Santos disse...

É hora de maximizarmos a positividade dos pensamentos para que juntos consigamos mover o cosmos em favor de quem precisa!

Muito boa a tua idéia de esperança mutilada! Grande criação!

Um abraço!

Matéria Escura disse...

wow.
bom.