sábado, 29 de maio de 2010

Vício

Dedos umedecidos
em saliva espessa
tatuam o prazer
de ler(-te).

Lou Vilela


* Publicado originalmente em fev/09.

5 comentários:

Assis Freitas disse...

poema táctil, palavras no dorso e na pele. cheiro

Mai disse...

Adoro sentir o cheiro, o sabor e a textura dos livros.
Abri um sorriso.
bjo

nina rizzi disse...

gostoso, lou. pra se ler em braille.

Jorge Pimenta disse...

este é um vício que se não dispensa.
consegues subjugar aos sentidos duas das maiores valências do ser humano: ler(-se) e amar. e porquê? talvez porque nada aglutine os sentidos como o amor e a leitura...

a propósito, conheces um poeta português contemporâneo de nome jorge sousa braga? este poema trouxe-mo à memória, ele que estabelece paralelismos sinestésicos entre os afectos, o corpo e o mundo das coisas. belíssimo!
um abraço!

Lara Amaral disse...

Ai, moça, como vc faz isso, não sei, mas é booommm... =)

Beijo!